AGRICULTURA

1º prognóstico para safra de grãos 2020 prevê aumentos na produção de soja (+2,9%), milho 1ª safra (+1,5%) e algodão (+1,2%) na Bahia

Dos cinco produtos de maior importância, em termos nacionais, três devem ter quedas na produção

13/11/2019 14h23Atualizado há 4 semanas
Por: Sandro Araújo
Fonte: Mariana Viveiros

O primeiro prognóstico nacional para a safra 2020 de cereais, leguminosas e oleaginosas (também conhecidos como grãos) prevê uma produção de 238,5 milhões de toneladas, 1,0% menor que a de 2019, estimada em 240,8 milhões de toneladas.

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado mensalmente pelo IBGE. O grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas (grãos) engloba os seguintes produtos: arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo, triticale, amendoim, feijão, caroço de algodão, mamona, soja e girassol.

Dos cinco produtos de maior importância, em termos nacionais, três devem ter quedas na produção: algodão herbáceo (-0,1%), feijão 1ª safra (-1,5%) e milho 1ª safra (-1,2%). As variações positivas deverão vir do arroz (1,6%) e da soja (4,7%).

Ainda não há, para os estados, dados consolidados deste primeiro prognóstico para 2020. Mas já se preveem para a Bahia aumentos na produção de soja (de 5,258 milhões para 5,4 milhões de toneladas, +2,9%), milho 1ª safra (de 1,365 milhão para 1,386 milhão de toneladas, +1,5%) e algodão (de 1,494 milhão para 1,512 milhão de toneladas, +1,2%).

Já o feijão 1ª safra tem um primeiro prognóstico de queda no próximo ano (de 172,8 mil para 143,4 mil toneladas, -17,0%).

O aumento previsto na produção baiana de soja (+2,9%) está ancorado na maior área plantada, que deve aumentar 1,3% (de 1,580 milhão para 1,6 milhão de hectares) e no rendimento médio, que deve crescer 1,6%, de 3.328 para 3.381 kg/hectare. Ainda assim, a safra de 2020 de soja no estado deve ficar menor que o recorde colhido em 2018 (6,244 milhões de toneladas).

A Bahia deve contribuir para o aumento previsto de 4,7% na produção brasileira de soja, que deve chegar a 118,4 milhões de toneladas em 2020, segundo este primeiro prognóstico, com aumento de 0,7% na área a ser plantada e de 3,9% no rendimento médio.

Já o aumento previsto para 2020 na produção baiana de algodão herbáceo (+1,2%) deve ser o maior entre os principais estados produtores, resultado do aumento de 5,4% na área plantada (de 332 mil para 350 mil hectares).

Para o Brasil como um todo, o primeiro prognóstico da safra 2020 de algodão estimou uma produção de 6,881 milhões de toneladas, 0,1% menor que a de 2019 (6,888 milhões de toneladas). O recuo é explicado por incertezas quanto ao clima, que estão reduzindo a estimativa do rendimento médio da cultura.

A décima previsão para a safra baiana de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2019 manteve, em outubro, a estimativa de produção de 8.233.928 toneladas neste ano, 11,7% menor que o recorde de 2018 (cerca de 9,3 milhões de toneladas).

Ainda segundo a estimativa, em 2019, 9 das 26 safras de produtos investigadas pelo IBGE na Bahia deverão ser maiores do que em 2018.

Os maiores aumentos absolutos deverão vir da mandioca (mais 329.925 toneladas), algodão herbáceo (mais 245.846 toneladas) e milho 2ª safra (mais 228,6 mil toneladas). Por outro lado, soja (menos 986.800 toneladas), milho 1ª safra (menos 598.140 toneladas) e cana-de-açúcar (menos 474 mil toneladas) devem ter as maiores quedas de produção, em termos de volume.

A lista completa está na tabela a seguir.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.