Encontro Territorial

Estudantes participam de encontro territorial de arte e cultura em Feira de Santana

O resultado desses encontros é uma ressignificação comportamental, social e emocional desses alunos, que se tornam mais disciplinados e comprometidos com seu processo de ensino e aprendizagem.

27/11/2019 09h38
Por: Sandro Araújo

Estudantes de 80 escolas da área do Núcleo Territorial de Educação do Portal do Sertão (NTE – 19) estão movimentando a cena artística e cultural de Feira de Santana, com o Encontro Territorial de Arte e Cultura, promovido pela Secretaria da Educação do Estado para promover o protagonismo estudantil. O encontro começou nesta terça-feira (26) e segue até quinta (28), no Centro de Convenções da Igreja Batista Avenida. Durante estes três dias, serão realizadas apresentações de música, dança, teatro, audiovisual, artes visuais, arte patrimonial e canto coral, envolvendo 171 projetos.

As criações estudantis foram desenvolvidas no âmbito dos seguintes projetos estruturantes da SEC: Tempos de Arte Literária (TAL); Artes Visuais Estudantis (AVE); Festival Estudantil de Teatro (FESTE); Festival Anual da Canção Estudantil (FACE); Encontro de Corais Estudantis (ENCANTE); Dança Estudantil (DANCE); Educação Patrimonial e Artística (EPA) e Produção de Vídeos Estudantis (PROVE). Em paralelo, estão sendo desenvolvidos os Jogos Estudantis da Rede Pública (JERP).

A estudante Letícia Caribé, 15, 1º ano do Colégio Estadual Rotary, localizado em Feira de Santana, se apresentou, junto à colega Maria Clara Sena, pelo EPA. O trabalho da dupla sobre o patrimônio histórico e imaterial do município é resultado de uma pesquisa em que elas mergulharam na Feira de Santana do século XX para saber como viviam, o que pensavam, como se vestiam, como se maquiavam as mulheres daquela época.

“Como temos aptidão para maquiagem, convidamos quatro senhoras, entre 70 e 87 anos, para serem maquiadas por nós, enquanto colhíamos delas informações importantes sobre Feira, de um tempo em que eram adolescentes e jovens adultas e que o blush ainda se chamava rouge. Aproximamos de suas memórias sobre a cidade sob diversos aspectos e, com isso, resgatamos a história de Feira e aprendemos, por exemplo, que a micareta daqui foi iniciada com o nome de Festa Micareme”, contou Letícia. Além das exposições dos trabalhos ligados ao EPA, PROVE e AVE, os estudantes do NTE 19 apresentam, ao longo dos três dias de encontro, projetos do TAL, FEST, DANCE, ENCANTE e FACE.

A professora articuladora dos programas artísticos e culturais do NTE 19, Juassiara Santos, falou sobre a mobilização dos estudantes em torno da culminância da etapa Territorial dos projetos estruturantes da SEC. “Nossos estudantes se envolvem com muito entusiasmo e trazem diferentes projetos, vários saberes e olhares a partir das experiências exitosas que eles vivenciam durante o processo de construção de seus trabalhos. O resultado desses encontros é uma ressignificação comportamental, social e emocional desses alunos, que se tornam mais disciplinados e comprometidos com seu processo de ensino e aprendizagem. Tudo isso sem esquecer que o foco de todo o projeto está no protagonismo estudantil”. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.